segunda-feira, janeiro 23, 2006

manto



Cobres-me como um manto sem fim
Exploras todos os meus cantos e encantos
Não te deténs perante o meu ser.
Moldas-te ao meu corpo e preenches-me
O meu espaço passa a ser o teu espaço.

Desejas-me, ansiosamente procuras-me
Acaricias-me, levemente sentes a minha pele
Beijas-me, ardentemente pedes o meu ar
Tocas-me, presenteias-me com o teu calor

Descobres-me cada vez que me tens
Ficas cada vez que me amas
Completo-te cada vez que me dou
Encanto-te cada vez que me tocas.

6 Comments:

Anonymous muito atento said...

Mas como é isso de beijar "árduamente"? ainda por cima depois de "acariciar, levemente"... dá um pouco uma idéia de esforço (árduo..) Pouco crível, tenho a certeza absoluta.
**

11:04 da manhã  
Blogger imensa said...

porque alguém muito atento me impressionou, alterei este momento de prazer.
obrigada, um beijo atento

9:43 da tarde  
Anonymous ha ha.... said...

Ele que havará beijares àrduos... acredito que os haja. Mas não, certamente, a ti!

9:18 da manhã  
Anonymous Royamottos said...

Se "ele" não se detém perante o teu ser... muito provávelmente não merecerá de ti tanto quanto lhe dás. Muito embora aqui lhe não "entregues" nada, o egoísmo fica um bocado subentendido... e não é bonito.

9:55 da manhã  
Anonymous oaoj said...

imensamente carinhosa...imensamente doce...imensamente sensível.
Feliz aquele que...prova o teu néctar...que saboreia a tua docura...que explode na tua volúptia de sentimentos infinitos...

2:25 da tarde  
Anonymous Insolente said...

tanto desejo nessas palavras... agora fiquei eu com desejos, tenho de efectuar uma chamada... ora entao um grande bem haja

11:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Escreva!
Escreva!